English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

segunda-feira, 25 de março de 2013

Senhor, também nas interrupções!

“E eis que chegou um dos principais da sinagoga, por nome Jairo, e, vendo-o, prostrou-se aos seus pés, e rogava-lhe muito, dizendo: Minha filha está moribunda; rogo-te que venhas e lhe imponhas as mãos, para que sare, e viva. E foi com ele, e seguia-o uma grande multidão, que o apertava. E certa mulher que, havia doze anos, tinha um fluxo de sangue [...] Ouvindo falar de Jesus, veio por detrás, entre a multidão, e tocou na sua veste” – Marcos 5:22-27.


Você já se envolveu em alguma situação que precisa ser atendido em face de sua necessidade, entretanto, alguém de repente o(a) interrompe? Desagradável, não! Isso para dizer o mínimo. Principalmente quando julgamos que nosso caso é de extrema urgência...
Um homem por nome Jairo vivencia tal situação e nos deixa um excelente exemplo a ser seguido. (Marcos 5).

A situação que o acometia era gravíssima. Sua filhinha, uma menininha que ainda não completara quase doze anos, segundo o relato do dr. Lucas (8:42), estava á morte. Que pai não se desesperaria diante de tal quadro?

Naquele momento ele nem se lembrou de sua titularidade, o status que possuía pessoas nobres e importantes que conhecia. Tampouco se aproveitou para enviar alguém em seu nome. Pelo contrário, ele simplesmente partiu em busca dAquele que poderia reverter o doloroso caso de morte em família.

Lá está ele defronte com o Mestre Jesus e certamente aos seus olhos cruzarem com os do Mestre, as pernas bambearam e ele imediatamente se prostrou. A reverência em forma de humilhação logo se revelou no real motivo do encontro: “Minha filha está moribunda; rogo-te que venhas e lhe imponhas as mãos, para que sare, e viva”. Jesus imediatamente atende aos rogos de um pai desesperado e sai em direção a casa na qual se encontrava a menina. Imagine o que significou para Jairo tal disposição de Jesus! É óbvio que seus olhos lagrimejaram, seu coração bateu mais forte e uma certeza de vitória foi acalentada em seu peito, mas... de repente... alguém se interpõe e interrompe o trajeto de Jesus. Uma mulher, cuja enfermidade lhe consumia a vida e os recursos... Jesus prontamente a atendeu deixando momentaneamente uma menininha num leito de morte.

Será que Jairo se irritou com tal interrupção? Como nos sentiríamos? Qual seria nossa reação diante de tal quadro?

Bem, Jesus cura aquela senhora e de repente chega alguém e diz: Hei Jairo, não incomodes mais o Mestre, pois, tua filha acabou de falecer...

Que golpe! Será que o tempo em que Jesus ficou atendendo aquela mulher não foi o tempo exato em que Ele poderia ter chegado e curado aquela criança?

Acontece que o Senhor é o Senhor também do tempo, e como Senhor do tempo Ele consola o coração de Jairo dizendo: “Não temas; crê somente, e será salva”.

O Senhor possui o controle do natural e do sobrenatural. Ele dita as regras nas duas dimensões.

Talvez seja o caso de alguém que estava prestes a receber sua benção, mas, de repente houve uma interrupção. Ora, seja qual for o tipo de interrupção, não se consuma por ela. Creia nAquele que é Senhor do tempo e até mesmo das interrupções. Para Ele não há impossíveis! Até nas “interrupções” o Senhor opera.

Será que a “interrupção”- a cura da mulher - com aquele quadro grave de hemorragia – que provavelmente Jairo até a conhecesse e soubesse que ela se encontrava “desenganada dos médicos” – não foi algo que animou e fortaleceu a fé de Jairo? Pense bem...

Jairo creu e sua filhinha foi restituída com vida – mesmo depois de uma interrupção.

Se crermos como diz as Escrituras sempre encontraremos restituição, mesmo que haja interrupções.





Ministério de Evangelismo Voz do Trono - "Lutando pela Verdade"

segunda-feira, 25 de junho de 2012

REFORMA DA ALMA


"Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido. Porque, quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo."

1Coríntios 2.14-16

Reformas provocam muita bagunça!

Confesso que se não fosse pelo resultado final que espero e já vejo como se já existisse, eu já teria deixado de lado essa reforma desse apartamento. Aliás, nem mesmo teria começado.

São tantas caixas, tantas ferramentas e móveis fora do lugar, tantas latas de tinta... A previsão é terminar lá para terça ou quarta-feira próxima. Olhar para esse prazo e confrontar isso com a situação da minha casa, os próximos dois dias parecem que serão uma eternidade!

Mas era necessário fazer essa reforma. E tive de insistir nisso, suportando toda a desordem em que sou obrigada a viver desde os últimos dias...

Toda reforma é assim: uma imagem de desordem, um bocado de exigências, um começo meio revirado. Quando Deus propõe reformar nossas almas, à princípio não entendemos nada. Tudo parece tão sem lógica...

Não tínhamos conflitos com pessoas do mundo e, de repente, nossas ideias começam a se chocar. Tínhamos uma situação financeira plena, estável e, de repente, as condições financeiras começam a apertar. Tínhamos muitos amigos e, de repente, eles começam a se afastar.

Mas que espécie de reforma é essa que a presença de Deus causa? Em vez de trazer bonança traz conflitos? – Alguém pode perguntar.

Sim, traz conflitos. E por que Deus permite? Porque Ele sabe que "a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente" (2Coríntios 4.17).

Quando uma reforma espiritual é iniciada em nossas vidas, muitos valores que pareciam infalíveis passam a perder status para nós. Muitas motivações entram em choque com as razões de Deus que passam a fazer parte do nosso dia-a-dia. Nossas prioridades são revistas e reorganizadas, de forma a estabelecer a primazia daquilo que condiz com a boa, perfeita e agradável vontade de Deus. E quando isso acontece, o mal não fica nenhum pouco satisfeito.

Insatisfação do mal a nosso respeito é sinônimo de conflitos para nós. Investidas e perseguições do maligno, atitudes revoltantes da parte de gente usada por ele, batalhas interiores. Se nós não estivermos seguros na pessoa santa e adorável de Deus e em Suas promessas, é nesse ponto que deixamos de superar limites e passamos a nos entregar às circunstâncias. É nesse ponto que abrimos mão da graça e voltamos ao próprio vômito (2Pedro 2.20-22).

Portanto, ainda que as reformas a que Deus nos chama pareçam doloridas demais, exijam renúncias, exercício da fé, entrega e obediência ao Senhor, submissão do nosso eu à Sua reta vontade, lembremos da glória que virá depois: Ser uma nova criatura, regenerada de Deus à Sua imagem e semelhança, dias de paz e perspectivas maiores aqui, e vida eterna mais adiante.

Tenhamos sempre em mente que "as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada" (Romanos 8.18).

Eu estou suportando a bagunça física porque almejo uma casa renovada. Mas a casa que Deus tem para nós é muito mais linda e cara: é totalmente refeita aqui, e perdurará para sempre, no Céu.

AMANHECER COM DEUS - Devocionais Bíblicos Diários

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Basta A Sua Companhia



"Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo
tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo"
(João 16:33).


No final da década de 50, Armando Valladares, De 23 anos de
idade, foi lançado em uma prisão cubana, onde permaneceu por
22 anos. As execuções eram realizadas todas as noite,
durante seu primeiro ano na prisão. Mais tarde, ele sofreu
algumas das torturas mais vis e sádicas imagináveis. Em suas
memórias, Valladares escreveu: "eu busquei Deus... Eu nunca
lhe pedi para me tirar de lá. Eu não achava que Deus deveria
ser usado para aquele tipo de pedido. Eu só pedi que Ele me
permitisse resistir, que me desse fé e força espiritual para
sobreviver debaixo daquelas condições... Eu só orei para Ele
ficar ao meu lado."


Até onde temos suportado as adversidades da vida? Temos sido
capazes de aguentar os momentos difíceis com a mesma fé que
nos motiva durante os períodos de grande alegria e bênçãos?
Temos compreendido que, muitas vezes, o Senhor permite que
enfrentemos lutas para que sejamos edificados e aprendamos a
confiar inteiramente nEle?


O salmista dizia que, com Cristo ao seu lado, não temeria
ultrapassar o vale da sombra e da morte. Temos nós a mesma
certeza? Somos capazes de não murmurar quando alguma coisa
não dá certo em nossas vidas? Somos capazes de manter a paz
e a esperança mesmo diante de obstáculos? Como tem andado o
nosso ânimo espiritual?


Quando Cristo está ao nosso lado, tudo vai bem. O mundo não
nos incomoda, a paz nos envolve completamente, as bênçãos
são constantes, a vitória é certa.


O que mais importa para nossa felicidade não é se o caminho
é plano ou pedregoso e sim, se Cristo está ao nosso lado.
Seguros em Suas mãos, podemos enfrentar quaisquer
circunstâncias.


Você costuma andar sozinho ou faz questão da companhia do
Senhor?

Paulo Roberto Barbosa. Um cego na Internet

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Os Filhotes da Águia


          A águia é a ave que tem capacidade de voar mais alto, mas como todo filhote, os filhotes da águia também precisam aprender a voar...
          Quando os filhotes já estão fortes e crescidos,   a mamãe-águia lança seus filhotes  fora do ninho que ficam em altos penhascos...
          Mas eles ainda não sabem voar e tendem apenas a cair. Então, ela voa em volta deles durante toda a queda, e quando vê que eles não tem mais forças,  não se debatem mais,  lhes resgata!
          Ela age dssa forma  durante dias seguidos...até  que... com o passar de poucos dias, o filhote percebe que a mãe não o deixará se machucar. Então ele começa a ter a segurança da presença da mãe... E começa a aprender a voar... Até que alça seu primeiro e majestoso vôo. 

 
           Em certas ocasiões, Deus faz assim conosco.
          Ele nos lança fora do ninho, quentinho e  aconchegante,  ainda que não saibamos como voar, como agir, sabemos apenas gritar...
          Mas antes de nos esborracharmos, Ele vem e nos resgata, nos traz de volta à segurança.
          Outra situação vem, Ele nos lança do ninho, nos debatemos, gritamos, clamamos, pensamos que tudo está perdido!... e Ele vem novamente  e nos ergue, nos exalta, nos cura, nos sara, nos eleva à altura de sermos chamados dignamente de "Seus filhos"...  Porque temos a certeza que seja qual for o problema, nós temos a solução: O SENHOR!
           Não algo passageiro, nada paliativo, mas uma salvação eterna em Jesus...

          Ainda que suas dores, suas lutas, seus tropeços,  espinhos, possam parecer  intransponíveis, Deus está de mãos estendidas para te resgatar e te trazer o socorro na hora certa!
          Não se desespere nunca! Você é de Deus! Ele te criou e jamais irá te desamparar. Creia e entregue a Ele todas as suas lutas. Confie nele sempre.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

QUEM PERGUNTA QUER ENSINAR

Deus é onisciente. Exemplificando: isso significa que Ele sabe muito bem como vai o seu pâncreas nesse momento. Ele sabe como vai o seu pâncreas, o seu fígado, o baço, o pulmão, o coração, o cérebro, as córneas e quantos fios de cabelo há na sua cabeça. Ele sabe isso tudo a respeito não só de você mas de todas as pessoas que estão vivas na Terra neste instante. Ele sabe isto tudo não só sobre todas as pessoas vivas mas também sobre todas que já morreram e sobre as que ainda vão existir. Afirmar que Deus é onisciente vai muito além do alcance de nosso intelecto limitado. Ainda assim, encontramos uma série de perguntas feitas por Deus na Bíblia e, se Deus é onisciente, aqui não se aplica a expressão "quem pergunta quer saber". O que Deus pretende ao fazer perguntas a seres humanos?

A primeira delas aparece no capítulo 3 de Gênesis: "Mas chamou o Senhor Deus ao homem, e perguntou-lhe: onde estás?" Naquele instante, Adão e Eva estavam escondidos no jardim, atrás de algum arbusto. Nas mãos tinham folhas de figueira, que tentavam costurar estabanadamente para cobrir sua nudez; nudez que eles acreditavam que era a fonte do desconforto que sentiam. Não era, claro. A fonte daquela angústia era a separação de Deus ao escolher outra coisa qualquer quando havia um "assim diz o Senhor" apontando em outra direção. Eles foram os primeiros a descobrir que quando estamos separados de Deus não temos paz, temos um buraco no peito.

Quando Deus perguntou "onde estão vocês?", o que deve ter acontecido no íntimo de Adão e Eva? Aquela pergunta foi a forma sábia de Deus de confrontar o primeiro casal com a verdade avassaladora: veja onde estou, veja onde eu vim parar - estou longe de meu Criador, estou me escondendo dEle!

Deus fez vestes de pele para que eles se cobrissem. Era como se dissesse: "só Eu resolvo o seu problema. Sua tentativa de dar um jeito na situação é ridícula, ridículo como andar vestido com folhas de figueira. Isso não são roupas, veja, eu dou roupa de verdade a vocês, roupa que custa a vida de um inocente".

A pergunta que cortou o silêncio naquela tarde no Eden cortou também o coração de nossos pais. A pergunta que Deus fez confrontou-os com o que haviam feito, com a escolha que tinham feito, com o lugar para onde ela os havia levado e com a estupidez que é revoltar-se com Aquele que os havia feito para serem felizes.

Gosto de pensar que, da mesma forma como Deus não desistiu de Seus primeiros filhos quando eles Lhe viraram as costas, fizeram o que Ele havia falado para não fazerem e se esconderam dEle, ao contrário, foi atrás deles e os chamou, bem, gosto de pensar que Deus não desiste de mim e que às vezes Ele me pergunta "onde você está?"

Ele tem a solução do seu problema nas mãos e pergunta: onde você está? Ele não precisa da resposta, porque Ele sabe onde você está. Ele quer que você descubra isso.


Marco Aurelio Brasil

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

"... por amor do Seu nome." – Salmo 23:3

Você já se perguntou: "Como Deus poderia usar alguém como eu?" O Salmista responde: "Por amor do Seu nome!" Só um nome conta – e não é o seu! Com a mesma intensidade que Deus odeia o orgulho, Ele ama a humildade. A Sua Palavra diz: "… Deus se opõe aos orgulhosos, mas concede graça aos humildes" (Tg 4:6 NVI). Portanto, eis algumas dicas sobre como permanecer humilde. Primeiro, avalie-se sinceramente. Não seja como o castor que disse ao coelho quando eles olhavam a imensa muralha de uma grande represa: "Não, na verdade eu não a construí pessoalmente. Mas ela foi baseada em uma ideia minha". A Bíblia diz: "Não cultive ideias exageradas de si mesmo… mas tente fazer uma estimativa sadia das suas habilidades" (Rm 12:3-4 PHPS). Segundo, aprenda a celebrar a habilidade de outros. Paulo escreveu: "… não tente impressionar os outros. Sejam humildes, considerando os outros melhores que vocês" (Fp 2:3 NLT). Todo gol marcado na vida geralmente é resultado de um esforço em equipe. Seja como o garotinho que chegou em casa voltando das apresentações do teatro da escola e anunciou feliz : "Mamãe, consegui um papel. Fui escolhido para me sentar na plateia e aplaudir". Quando você for capaz de sentir algo parecido, você saberá que chegou lá. Finalmente, não anuncie o seu sucesso antes que ele aconteça. "...Quem está vestindo a sua armadura não deve se gabar como aquele que a está tirando" (1 Rs 20:11 NVI). Quando um dos alunos de Charles Spurgeon orgulhosamente subiu ao púlpito para pregar com seu nariz empinado, e desceu de lá cabisbaixo depois de fracassar miseravelmente, Spurgeon teria dito algo do tipo: "Se você tivesse subido como desceu, teria descido como subiu". Deus abençoa nossos esforços somente quando eles são feitos "por amor do Seu nome".

UCB - Brasil

sexta-feira, 14 de outubro de 2011


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...